TAROT – AS CARTAS DOS PAJENS – TARÔ

Nesta postagem você vai aprender ainda mais sobre o significado das cartas dos Pajens. Compreenderá suas descrições e características através de exemplos da cultura pop e como se relacionam com os quatro elementos e com a Kabbalah.

No tarot é comum a carta do Pajem receber outras denominações, como, por exemplo, Valete ou Princesa. Os termos empregados variam de acordo com autor do baralho.

As quatro cartas dos Pajens representam arquétipos relacionados à inocência humana; retratam aspectos juvenis e imaturos da nossa consciência.

Na tradição cabalística são cartas diretamente ligadas à energia de Malkuth; portanto, são figuras alusivas a um estilo de vida mundano e ainda incompleto. As cartas representam um estado de consciência primário, onde as verdadeiras vontades e aptidões ainda não desabrocharam. Simbolizam o ponto de partida da jornada do herói. É a energia do aprendiz e do aluno que pretende caminhar pela senda da iniciação.

Os Pajens são figuras que simbolizam nossas incapacidades e inexperiências em realizar, sentir, racionalizar e manifestar. Cada naipe representa um destes aspectos e está respectivamente ligado a um elemento (fogo, água, ar e terra).

(Leia também os posts sobre cartas dos Reis, Rainhas e Cavaleiros)

Quando uma carta de Pajem sai em um jogo de tarot, ela representa uma pessoa (homem ou mulher) relacionada à pergunta ou indagação. O indivíduo em questão possui as energias do pajem específico.

[PAJEM DE PAUS] (FOGO)- Uma pessoa com muito potencial, mas que ainda não desenvolveu suas reais competências. Simboliza alguém incapaz de realizar seus desejos pessoais por se encontrar preso a uma realidade que não condiz com a sua Verdadeira Vontade.

Representa a imaturidade e o despreparo perante as habilidades natas. Configura o indivíduo com aptidão para se tornar um guerreiro, um herói e um mestre; mas que ainda se encontra incapaz. É alguém que necessita de treinamento e aprendizado, lhe faltam confiança e convicção para eclodir seus talentos.

Possui uma chama em seu coração, mas ainda carece de segurança e crença para fazê-la arder como uma fogueira.

O pajem de Paus trabalha demais em projetos que não o interessam e se sente sobrecarregado com atribuições inúteis. Tende a contar mentiras para si e a criar desculpas para não realizar suas reais vontades. Possui uma inclinação a atribuir suas falhas e procrastinações a terceiros.

Acredita que o mundo é muito mais do que sua vida cotidiana e profana. Possui um desejo intrínseco por se aventurar por caminhos mais significativos, mas se encontra confinado a uma realidade diferente e frustrante.

luke skywalker

O início da trajetória de Luke Skywalker em Guerra nas Estrelas é um ótimo exemplo para ilustrar esta carta. Luke era um simples fazendeiro no planeta Tatooine (Malkuth). Um rapaz sedento por se tornar um piloto e explorar a galáxia e suas potencialidades. Luke se sentia preso ao seu destino agrícola e incompleto. O jovem Skywalker possuía todas as habilidades natas, para, assim como seu pai, se tornar um poderoso Jedi; entretanto, ele desconhecia seus poderes e sua conexão com a Força. O contato com Obi Wan Kenobi abre um novo e inexplorado universo; representa um chamado que, à princípio, Luke nega devido ao seu medo e imaturidade.

Harry Potter possui uma narrativa semelhante. O garoto possuía uma vida medíocre e infeliz morando na casa de seus tios trouxas (Malkuth). Desconhecia seu sangue bruxo e suas habilidades mágicas. Ao receber a carta de Hogwarts é conduzido por Hagrid ao mundo fantástico que o aguardava desde o nascimento. Harry encara um ambiente exótico e totalmente desconhecido, precisa aprender e conhecer todas as características do universo bruxo até se tornar o senhor de seu próprio destino.

Luke e Harry Potter, ao longo de suas trajetórias, passam por provas e desafios que testam suas convicções, habilidades e aprendizados. Ambos precisam despertar coragem e força de vontade para realizarem suas vontades e aptidões.

[PAJEM DE COPAS] (ÁGUA) – Uma figura idealista e pura de coração. Transborda ingenuidade amorosa e emocional. Uma pessoa que detêm uma profunda carência e uma intensa dependência afetiva. Precisa de amparo e de conforto de terceiros; deposita nos outros a responsabilidade por suas fraquezas sentimentais.

Carece de compreensão de si mesmo e de seus sentimentos, lhe falta entendimento do seu próprio inconsciente e de seus desejos mais profundos. Possui dificuldades em lidar com suas relações afetivas e familiares. Desconhece a sua verdadeira busca espiritual e sentimental.

Configura a imaturidade e o despreparo juvenil perante os desafios emocionais da vida.

Simboliza a inocência e a pureza infantil. Uma figura idealista e sonhadora que vive imersa em suas fantasias pessoais repletas de ilusões e utopias. Um ótimo arquétipo para exemplificar essa carta é a princesa das fábulas infantis clássicas. Representa alguém que literalmente acredita em conto de fadas e príncipes encantados. Configura a donzela presa na torre do castelo (Malkuth), à espera da libertação. Acredita que seus problemas pessoais serão resolvidos por um salvador, pois ainda desconhece sua própria força emocional e suas habilidades para lidar com os seus próprios sentimentos.

O Pajem de Copas precisa compreender e explorar seu inconsciente, reconhecer e trabalhar suas limitações. Necessita buscar sua independência sentimental e sua maturidade emocional. Um processo que perpassa por uma jornada aos confins de sua própria mente e de seus mais profundos sentimentos.

O conto da Bela e a Fera é uma narrativa que ilustra muito bem o amadurecimento pelo qual o pajem de copas precisa passar. Bela é ingênua, pura e repleta de sonhos. Quando aprisionada no castelo de uma Fera, confronta sua imaturidade emocional ao se apaixonar pela besta. Aprende com o convívio a enxergar a beleza por trás das aparências e das utopias. Acaba por encontrar em si a maturidade necessária para lidar com suas inexperiências afetivas e com a paixão que a Fera lhe desperta. A figura monstruosa pela qual ela se apaixona simboliza seus mais profundos medos e inseguranças, algo que Bela compreende e aprende a controlar.

[PAJEM DE ESPADAS] (AR) – Representa a imaturidade mental perante às adversidades e problemas da vida. Uma figura que precisa aprimorar suas capacidades intelectuais, comunicativas e inovadoras. Possui dificuldades em argumentar e se fazer entender; ignora os meandros cognitivos pelos quais a solução é encontrada. Precisa aprender os caminhos corretos para trazer soluções perspicazes para as dificuldades e obstáculos.

Usa suas habilidades comunicativas e mentais de forma equivocada. Tende a falar mais do que devia, ao invés de ser assertivo e ponderado. Deseja quebrar paradigmas, mas ainda não sabe como fazê-lo.

O Pajem de Espadas não deve tomar decisões ou agir, pois tende a trocar os pés pelas mãos; ainda lhe faltam experiência e know-how. Corre o risco de arruinar seus projetos e esforços pessoais devido a sua imaturidade cognitiva.

Necessita de reconhecer suas limitações, de estudar e aprender antes de entrar em um confronto intelectual ou de optar por uma escolha.

Demanda de um tempo de reflexão e de repouso para aumentar seus conhecimentos e aptidões mentais, carece de trabalhar sua retórica e dialética. Requer o aprimoramento de suas habilidades para controlar sua mente e explanar melhor suas ideias e ponderações. É uma figura ainda adormecida que não consegue compreender a complexidade do universo das ideias.

Avatar-1

A trajetória da personagem Aang, na série de animação Avatar, é um ótimo exemplo do processo de amadurecimento do Pajem de Espadas. O garoto é a atual encarnação do Avatar – o predestinado a manter a harmonia em seu mundo . Esse destino lhe é revelado prematuramente quando ele ainda era uma criança. O jovem, ainda sem maturidade, não possuía preparo mental, nem o controle cognitivo para lidar com seus poderes. Assustado com a responsabilidade, o menino opta por ignorar seu destino e foge apavorado. Nesta fuga, ele é pego por uma gigantesca tempestade e fica congelado por cem anos em um iceberg. Ao acordar de seu sono, se depara com um mundo caótico devido à sua ausência.

Após o despertar, Aang assume seu dever, desenvolve e treina suas habilidades mentais para dominar os quatro elementos e controlar o Estado Avatar. O garoto, neste progresso, passa a ser um líder comunicativo e um mediador de conflitos, cuja missão é manter a paz e restituir o equilíbrio espiritual do planeta.

[PAJEM DE OUROS] (TERRA) – Simboliza a energia do jovem aprendiz, daquele que precisa desenvolver habilidades e perícias concretas. Possui a necessidade prática de colocar a mão na massa e de se capacitar ativamente.

O Pajem de Ouros ainda é inábil; não consegue manifestar e arquitetar suas vontades no mundo material. Detêm potencial, contudo lhe falta o tempo e a dedicação necessárias para desenvolver os seus talentos. Precisa aprender e assimilar novas competências e habilidades técnicas, deve aprimorar proficiências que demandam treinamento, repetição e aperfeiçoamento.

Simboliza alguém que precisa treinar para aprender a construir, materializar, organizar e sistematizar.

Representa, por exemplo, um aprendiz de artesão, um indivíduo com despreparo técnico e inexperiência prática que precisa desempenhar suas habilidades para chegar aos seus objetivos.

Configura o estagiário que ainda não compreende o funcionamento empresarial, ou o soldado raso que ocupa o nível hierárquico mais baixo em uma organização militar. Ambos precisam galgar muitas etapas para subir na carreira. Através do trabalho árduo e da dedicação constante, visam alcançar e conquistar suas metas.

Mathias

No filme Tropa de Elite, as personagens Neto e Matias representam essa energia do Pajem de Ouros. Na narrativa, ambos são aspirantes ao cargo de Capitão do Batalhão de Operações Especiais e precisam passar por um intenso treinamento e por provas que os qualifiquem para substituir o Capitão Nascimento.

Espero que o texto tenha te auxiliado na compreensão das cartas dos Pajens; para adquirir ainda mais conhecimentos acesse os posts sobre os Reis, as Rainhas e Cavaleiros no Tarot.

Leia também nossos textos sobre Astrologia e aprenda sobre os signos de uma maneira inovadora e diferenciada.

Deixe seus comentários e sugestões para temas. Assine nosso newsletter abaixo e receba notificações de novas postagens por e-mail.

7 comentários em “TAROT – AS CARTAS DOS PAJENS – TARÔ

  1. Muito bom o texto, conseguiu nos trazer exemplos contemporâneos!
    Parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigado Rosana! Felizes em saber que você gostou dos nossos exemplos.

      Valeu Rodrigo Basso ! Muito obrigado!

      As narrativas modernas e também as clássicas utilizam muito deste arquétipo do Pajem para demonstrar o início do treinamento e do desenvolvimento dos protagonistas. Essa percepção ajuda muito na compreensão das cartas.

      Curtir

  2. Um dos melhores textos sobre o assunto que eu ja li!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Muito obrigado Frater Mithras! Felizes em saber que você gostou tanto. Recomende aos amigos!

      Curtir

Deixe uma resposta para Frater Mithras Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close